A Marinha do Brasil, em uma ação conjunta com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), apreendeu cerca de uma tonelada de pescado da espécie “bandeirada”, além de equipamentos de pesca, durante a Operação “Patrulha Naval Santana”. A embarcação “Serafim”, flagrada realizando pesca irregular, foi abordada a 180 milhas náuticas de Macapá (AP).

Irregularidades e Infrações Detectadas

3

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

A inspeção naval identificou várias irregularidades na embarcação, incluindo a ausência de licenciamento para pesca, o que configura infração ao Regulamento da Lei de Segurança do Tráfego Aquaviário. Também foram constatados a falta de materiais obrigatórios de salvatagem e excesso de lotação.

Objetivos da Operação Patrulha Naval Santana

A operação visava fiscalizar o cumprimento de leis e regulamentos em águas jurisdicionais brasileiras, com foco nas áreas marítimas próximas à região Norte do Brasil. Segundo o Capitão de Mar e Guerra Ondiara Barbosa, as patrulhas navais são fundamentais para preservar o patrimônio brasileiro na Amazônia Azul e melhorar as condições de segurança marítima.

Doação da Carga Apreendida

A carga de pescado apreendida foi doada ao Projeto Mesa Brasil Sesc, um esforço significativo para garantir a segurança alimentar de pessoas em vulnerabilidade social.

Características do Navio-Patrulha “Bracuí”

2

O Navio-Patrulha “Bracuí” (P-60), envolvido na operação, pertence ao Comando do 4º Distrito Naval e ao Comando do Grupamento de Patrulha Naval do Norte. Com uma tripulação de 42 militares, o navio possui capacidade para operar por três semanas sem necessidade de reabastecimento, atuando nos rios da Amazônia e nos litorais do Pará, Maranhão, Piauí e Amapá.

Retorno às Atividades Operativas Após Reparos

Após um ano imobilizado para reparos e adestramentos, o Navio-Patrulha “Bracuí” retomou suas atividades operativas no dia 5 de novembro, reforçando a capacidade da Marinha do Brasil em suas missões de patrulha e fiscalização.

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).