Prefeito de João Pessoa sanciona Lei da Cultura Oceânica na sede da CPPB Foto: SOAMAR-PB

Na última sexta-feira, um marco significativo foi alcançado na cidade de João Pessoa, Paraíba, com a sanção da Lei da Cultura Oceânica pelo Prefeito Cícero Lucena. Este ato legislativo não apenas reflete o compromisso da cidade com a preservação ambiental e a sustentabilidade, mas também destaca a importância de uma abordagem educacional inovadora para entender a interconexão entre o homem e o oceano.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Uma Parceria Estratégica para o Desenvolvimento Sustentável

Snapinsta.app 427877953 1161964174968026 7948619383509593292 n 1080
Vice-Almirante Alexander Reis Leite em encontro com o Prefeito de João Pessoa, Cícero Lucena
Foto: SOAMAR-PB

A cerimônia de sanção da lei contou com a presença de figuras-chave, incluindo o Vice-Almirante Alexander Reis Leite, Comandante do 3° Distrito Naval, o Capitão dos Portos da Paraíba, Capitão de Fragata Ronaldo de Almeida Miranda Junior, e o Presidente da Sociedade Amigos da Marinha – Paraíba, Marcos Souto Maior Filho. O encontro, realizado na sede da Capitania dos Portos da Paraíba (CPPB), simboliza a união de esforços entre o governo municipal e as autoridades marítimas para fomentar a conscientização e ação oceânica responsável.

Educação e Sustentabilidade Marítima no Coração da Lei

A Lei da Cultura Oceânica tem como objetivo integrar no currículo da Rede Municipal de Ensino o conhecimento sobre a influência recíproca entre o oceano e a humanidade. Esta iniciativa busca inspirar as futuras gerações a viver e agir de forma sustentável, reconhecendo a importância crítica dos oceanos para a vida na Terra. Além disso, trata-se de um passo importante para a cidade de João Pessoa, localizada no litoral, onde a relação com o mar é um elemento fundamental da sua identidade cultural e econômica.

Além da Educação: Ampliando o Diálogo Sobre Sustentabilidade

A Lei da Cultura Oceânica é apenas um dos temas discutidos durante o encontro, que também abordou a homologação da dragagem no Porto, bem como a vinda do Navio-Aeródramo Multipropósito Atlântico em Cabedelo. Estas discussões sublinham o compromisso de João Pessoa e de suas autoridades com a sustentabilidade ambiental, a segurança marítima e o desenvolvimento econômico, reforçando a importância de uma gestão integrada e consciente dos recursos oceânicos.

Um Farol de Sustentabilidade

A sanção da Lei da Cultura Oceânica por João Pessoa coloca a cidade em uma posição de liderança em educação ambiental e sustentabilidade marítima. Este movimento pioneiro não só beneficia a comunidade local, mas também serve como um modelo inspirador para outras cidades costeiras no Brasil e ao redor do mundo. Ao promover uma compreensão mais profunda do papel vital que os oceanos desempenham em nosso ecossistema global, João Pessoa está navegando em direção a um futuro mais sustentável e consciente.

Marcelo Barros, com informações da Marinha do Brasil
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).