Entre 20 e 24 de novembro de 2023, Niterói-RJ foi palco de um evento notável no cenário da defesa nacional: o Exercício de Adestramento Conjunto de Infiltração Aquática. Organizado pela Marinha do Brasil, este exercício reuniu militares do Exército Brasileiro e da Força Aérea Brasileira em uma demonstração impressionante de cooperação e habilidade militar.

Uma Convergência de Elite das Três Forças

Snapinsta.app 406363177 362354606557295 1108509983975912968 n 1080

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Participaram deste exercício unidades de elite das três forças: da Marinha, o Grupo de Mergulhadores de Combate (GRUMEC) e o Batalhão de Operações Especiais de Fuzileiros Navais, juntamente com o Esquadrão de Helicópteros HU-2; do Exército, o Comando de Operações Especiais e o Batalhão DOMPSA; e da Força Aérea, o Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento e o 1⁰/1⁰ Grupo de Transporte. Essa diversidade de unidades destacou a complexidade e a eficácia da interoperabilidade entre as forças.

O Adestramento em Duas Fases Cruciais

Snapinsta.app 406244967 362354563223966 5669217037582578729 n 1080

O adestramento foi dividido em duas etapas essenciais. A primeira foi um ciclo de palestras, incluindo contribuições de militares e representantes de empresas civis especializadas em equipamentos de infiltração aquática. Esta fase teórica proporcionou uma base sólida de conhecimento e compreensão dos desafios e das tecnologias envolvidas. A segunda fase do exercício consistiu em atividades práticas, empregando técnicas avançadas como Thetered Duck e Hellocasting, essenciais para operações especiais modernas.

Impacto e Legado do Exercício

As atividades desenvolvidas em Niterói não apenas demonstraram a capacidade e a prontidão das forças brasileiras, mas também contribuíram significativamente para o aumento da interoperabilidade entre as tropas de operações especiais das três forças. Este exercício é um exemplo claro da contínua evolução e adaptação das Forças Armadas Brasileiras diante dos novos desafios de defesa e segurança nacional.

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).