Na última segunda-feira (08), no Complexo Naval de Itaguaí, ocorreu a cerimônia de entrega do Estaleiro de Manutenção (ESM) à Diretoria Industrial (DIM) pela Diretoria-Geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha (DGDNTM). O ESM é uma instalação crucial para o ciclo de vida dos novos submarinos da classe “Riachuelo” e representa mais um avanço industrial no âmbito do Programa de Submarinos (PROSUB).

Aumento da capacidade de manutenção naval

A infraestrutura entregue possui oficinas de mecânica, usinagem, tubulações, eletromecânica, pintura, hidráulica e sala de testes, além de um Pátio de Manobras com 8.360 m² destinados à docagem e o Cais de número 11. Essas instalações aumentam significativamente a capacidade de manutenção de meios navais no Brasil e possibilitam o suporte aos novos submarinos e o apoio logístico a meios de superfície da Marinha em Itaguaí (RJ).

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Impacto na economia e desenvolvimento tecnológico

O Estaleiro de Manutenção representa um marco para a Força Naval e o país, fortalecendo a indústria naval brasileira e gerando oportunidades de negócios e desenvolvimento tecnológico. A construção do ESM teve expressiva participação na geração de empregos no setor da construção civil e na indústria metalmecânica, resultando em 2 mil empregos diretos e 10 mil indiretos.

Avanços no Programa de Submarinos (PROSUB)

O PROSUB é um programa estratégico de Estado concebido em 2008 por meio da parceria entre Brasil e França. Ele contempla a construção de infraestrutura industrial e de apoio à operação e manutenção, a construção de quatro submarinos convencionais de propulsão diesel-elétrica e o projeto e a construção do primeiro Submarino Convencionalmente Armado com Propulsão Nuclear brasileiro. O primeiro submarino convencional, o “Riachuelo”, já está em operação e entregue à Marinha desde setembro de 2022.

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).