Entre os dias 8 e 12 de abril, o 1º Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral do Sul (EsqdHU-51) engajou-se em um programa de treinamento crítico utilizando simuladores de voo no Centro de Instrução de Aviação do Exército (CIAvEx), em Taubaté, São Paulo. Este exercício faz parte do contínuo esforço da Aviação Naval para manter suas tripulações preparadas para qualquer eventualidade operacional.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Supervisão Especializada

A sessão de treinamento foi supervisionada por uma psicóloga de aviação e um piloto facilitador, ambos especializados nas demandas psicológicas e técnicas que os pilotos enfrentam em operações aéreas. Cinco Aviadores Navais participaram deste treinamento intensivo, que focou no emprego de simuladores avançados oferecidos pela Aviação do Exército.

Foco em Segurança e Eficiência

blank
Treinamento em Procedimentos de Emergência e simulação para aprimorar o CRM

Os simuladores utilizados são projetados para replicar condições de voo extremamente precisas, permitindo aos pilotos praticar manobras e procedimentos que seriam demasiadamente arriscados para serem realizados em voo real. A segurança dos aviadores e a integridade dos equipamentos são priorizadas, reduzindo o risco de acidentes durante o aprendizado de manobras críticas.

Desenvolvimento de Competências Críticas

Durante o treinamento, os aviadores aprimoraram habilidades em:

  • Procedimentos de Emergência: Preparação para situações críticas que exigem respostas rápidas e precisas para garantir a segurança da tripulação e da aeronave.
  • Gerenciamento de Recursos de Cabine (CRM): Simulações de cenários diversos foram utilizadas para melhorar a comunicação, liderança e tomada de decisão em equipe, habilidades essenciais para o sucesso das missões.

Impacto Operacional

A capacidade de reagir prontamente a condições adversas e emergências foi significativamente reforçada, aumentando a eficácia operacional das tripulações. Este treinamento não apenas aprofunda o conhecimento técnico dos aviadores, mas também fortalece a coesão e a eficiência da equipe, elementos cruciais para o sucesso das operações de voo.

Marcelo Barros, com informações da Marinha do Brasil
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).