Entre os dias 04 e 14 de julho, a Escola de Guerra Naval (EGN), uma das mais prestigiosas instituições militares do Brasil, marcou presença na Fase de Execução do Inter-American War Game (IAWG)-2023. O evento deste ano foi coordenado e conduzido pela Academia Naval de Estudos Estratégicos da Colômbia, sediada na histórica cidade de Cartagena. O IAWG é um jogo de guerra anual, realizado de forma remota e estruturado como um seminário, que discute temas de interesse comum para as Marinhas do continente americano em um cenário fictício especialmente elaborado para a ocasião.

A Importância do IAWG para a Cooperação Militar

Como destacou o Capitão de Mar e Guerra (RM1) Cesar Vidal, gerente do jogo, o IAWG representa uma oportunidade única para exercitar o trabalho de Estado-Maior em um ambiente operacional multinacional. Mais do que isso, o jogo estreita os laços de cooperação e amizade entre as Escolas de Guerra do Hemisfério Sul, possibilitando um debate acadêmico enriquecedor sobre questões relacionadas à Segurança Marítima e às perspectivas jurídicas de cada país.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

A Participação da EGN no IAWG-2023

Snapinsta.app 360034206 1298888267372282 6490814473127592233 n 1080

A EGN se fez presente no IAWG-2023 por meio da atuação de seus instrutores, uma equipe de elite composta por Capitães de Mar e Guerra (RM1) José Carlos Pinto, Alexandre Fontoura e Leonardo Coutinho; Capitães de Fragata Glauco e Marcelo Lobo; e Capitão de Fragata (FN) Rafael Ferreira. A participação desses profissionais na edição deste ano reforça o papel da EGN como uma instituição de vanguarda na formação de líderes militares.

As Nações Participantes do IAWG-2023

O IAWG-2023 contou com a participação de representantes das Escolas de Estado-Maior das Marinhas de diversos países do continente americano, incluindo Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, EUA, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana e Uruguai, além do Brasil. A diversidade de nações participantes ilustra a importância deste evento para a cooperação militar na região.

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).