A Empresa Gerencial de Projetos Navais (EMGEPRON), uma entidade estratégica vinculada à Marinha do Brasil, tem dedicado esforços significativos no desenvolvimento de projetos de elevado valor agregado e com alta participação de tecnologia nacional. Entre os principais destaques estão o Navio-Patrulha nacional de 500 toneladas (NPa-500BR) e a embarcação autônoma de superfície multipropósito USV SUPPRESSOR, que juntos representam investimentos próprios superiores a R$ 20 milhões.

PROMOVENDO A INDÚSTRIA NACIONAL E A SOBERANIA MARÍTIMA

O projeto NPa-500BR visa a construção de navios-patrulha em estaleiros nacionais, mobilizando toda a cadeia de suprimentos, recursos e insumos dentro do país. Esta iniciativa não apenas reforça a indústria naval brasileira, mas também contribui para o desenvolvimento econômico, gerando renda e empregos. Os navios-patrulha possuem capacidades operacionais versáteis, adequadas para Inspeção Naval, Busca e Salvamento, e operações no mar, especialmente na Zona Econômica Exclusiva (ZEE), protegendo assim a Amazônia Azul® e reforçando a soberania nacional.

INOVANDO COM TECNOLOGIA AUTÔNOMA

O SUPPRESSOR representa um marco no setor de defesa brasileiro e latino-americano como o primeiro projeto voltado à construção de embarcações autônomas de superfície multipropósito no país. A embarcação destaca-se por sua capacidade de inovar a atuação operacional em atividades complexas no mar, oferecendo redução de custos e menor exposição humana a riscos. Além do seu emprego militar, o SUPPRESSOR tem potencial para atuação dual, servindo também aos setores de Segurança Pública e Pesquisa Oceanográfica, demonstrando a versatilidade e o potencial de inovação tecnológica da EMGEPRON.

UM IMPACTO POSITIVO NO DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E ECONÔMICO

Através desses projetos, a EMGEPRON não apenas contribui para o fortalecimento da capacidade defensiva do Brasil, mas também promove o avanço tecnológico e o desenvolvimento sustentável da indústria naval. Essas iniciativas reforçam a posição do Brasil como um líder em tecnologia de defesa na região, enquanto fomentam a inovação, a geração de empregos qualificados e o crescimento econômico.

Marcelo Barros, com informações da Marinha do Brasil
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).