Entre os dias 06 e 10 de maio de 2024, o Campo de Instrução do Mambengo foi palco de um evento transformador na vida dos soldados do Efetivo Variável do 11º Batalhão de Infantaria de Montanha (11º BI Mth). Este período marcou o fim da instrução individual básica, uma etapa fundamental na formação inicial desses jovens militares, que enfrentaram desafios rigorosos para desenvolver não apenas habilidades técnicas, mas também atributos afetivos essenciais como autoconfiança, persistência e liderança.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Desafios e aprendizados no acampamento básico

blank

O acampamento básico foi intenso e exigente, projetado para testar os limites dos recrutas em diversas atividades essenciais para o combate e sobrevivência em campo. Os novos soldados foram submetidos a uma série de treinamentos que incluíam desde uma marcha de 8 km, passando por técnicas de camuflagem e silenciamento de sentinela, até práticas de higiene e primeiros socorros. Essas atividades não só prepararam os soldados para situações de combate, mas também fortaleceram o companheirismo e o equilíbrio emocional, peças-chave para o sucesso em operações militares.

Cerimônia de entrega da Boina Cinza

O ponto alto das atividades foi a emocionante cerimônia de entrega da Boina Cinza na noite de 10 de maio. Este símbolo, representando o compromisso com o serviço ao país e a dedicação à defesa da nação, foi entregue aos soldados em uma solenidade que contou com a presença de figuras importantes, como o Ten Cel Gustavo Tiyodi Nakashima, Comandante do 11º BI Mth, e autoridades civis e militares da região de São João Del Rei, MG. Este evento não só celebrou os feitos dos jovens militares, mas também reafirmou os laços entre as Forças Armadas e a comunidade.

Significado e impacto da formação

A formação no Campo de Mambengo é mais do que um treinamento militar; é uma jornada de crescimento pessoal e coletivo. A entrega da Boina Cinza não simboliza apenas a conclusão de um treinamento, mas o início de uma carreira comprometida com os valores e tradições das Forças Armadas. Os familiares e amigos presentes puderam testemunhar a transformação desses soldados em verdadeiros defensores da pátria, prontos para enfrentar qualquer desafio que se apresente.

Essa etapa concluída com sucesso é um testemunho do rigor e da qualidade do treinamento militar brasileiro, que continua a formar homens e mulheres prontos para servir e proteger o Brasil com honra e dedicação. Para frente e para o alto! Montanha!

Marcelo Barros, com informações do Exército Brasileiro
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).