No dia 4 de fevereiro, 105 militares do Comando Militar do Norte (CMN) embarcaram para Roraima a fim de integrar, juntamente com o Comando Militar do Nordeste, o 13º Contingente da Operação Acolhida. O embarque ocorreu na Base Aérea de Belém e foi marcado por uma cerimônia que contou com militares da guarnição, familiares e amigos.

Ao todo, o efetivo do CMN será de 210 militares oriundos do Pará, Maranhão e do Amapá, com inúmeras missões. Segundo o Comandante da Operação, General de Divisão Sérgio Schwingelo objetivo da missão é dar dignidade, esperança e inclusão socioeconômica às famílias venezuelanas. Esta é a segunda vez que o CMN participa da operação. Em 2020, efetivo semelhante integrou o 8º Contingente da missão.

Operação Acolhida                                                  

Criada em 2018 pelo Governo Federal, a Operação Acolhida acontece em Roraima, porta de entrada dos imigrantes venezuelanos no Brasil. Trata-se uma grande Força-Tarefa humanitária conjunta, interagências, com órgãos governamentais, não governamentais, organismos internacionais e integrantes da iniciativa privada. Segundo a Polícia Federal, entre 2017 e 2021, mais de 600 mil venezuelanos entraram no País, dos quais 260 mil solicitaram regularização migratória em busca de oportunidades e melhores condições de vida.

Fonte: CMN

 

Marcelo Barros, com informações e imagens do Exército Brasileiro
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui