No dia 5 de abril, o Colégio Militar de Manaus foi reconhecido como Referência Nacional durante o Prêmio Transformação Digital Brasil do Instituto Micro Power – Transformação digital, com o projeto  “Curso Regular de Educação a Distância do Colégio Militar de Manaus: Amazônia e Exterior”.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

O projeto de educação a distância do colégio militar se destacou pela qualidade do ensino e pelo uso de tecnologias digitais para atender a alunos nas mais remotas cidades da Amazônia brasileira e do exterior. O projeto foi elaborado pelo Coronel Ribeiro, com a inserção de elementos de gamificação do ambiente virtual de aprendizagem (AVA) realizada pela Tenente Catique. Teve ainda a sua tese defendida na etapa final pelo Major Pantoja.

A iniciativa de conduzir a educação básica do 6° ano do ensino fundamental ao 3º ano do ensino médio é única no país. O projeto abrange desde a matrícula até as aulas no AVA, cobrindo funções como tesouraria, plantões de dúvidas, avaliações e pesquisas, de forma totalmente digital. O projeto tem como pontos fortes a agilidade, sustentabilidade e a desburocratização na área da educação.

O difícil cenário da pandemia comprovou que o investimento em tecnologia e inclusão digital na educação foi primordial para manter o Sistema Colégio Militar do Brasil funcionando, enquanto muitas escolas do país tiveram de suspender as aulas. Esses avanços permitiram ao Exército mitigar os efeitos adversos da pandemia na sua rede de educação básica, e garantir que crianças e adolescentes pudessem concluir todas as tarefas do ano letivo.

A Diretoria de Educação Preparatória e Assistencial (DEPA), muito antes da popularização da internet, já vislumbrava a educação a distância como ferramenta de inclusão em apoio à família militar nos diversos rincões da Amazônia. Atualmente, existem 550 alunos matriculados no Curso Regular de Educação a Distância, vivendo no Brasil e no exterior, dependentes de militares da Marinha do Brasil, do Exército Brasileiro e da Força Aérea Brasileira.

Fonte: Colégio Militar de Manaus

Marcelo Barros, com informações do Exército Brasileiro
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).