O afundamento deliberado foi realizado na Baía de Todos-os-Santos

A Capitania dos Portos da Bahia (CPBA), subordinada ao Comando do 2º Distrito Naval, coordenou, no dia 21 de novembro, a operação de afundamento dos cascos do ex-ferry-boat “Agenor Gordilho” e do ex-rebocador “Vega”, na Baia de Todos-os-Santos (BTS).

Na operação de afundamento, foram empregadas quatro embarcações, sendo duas LAEP-7 e duas motos aquáticas, e 12 militares. A ação também contou com o apoio de quatro servidores do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos embarcados nas lanchas da Capitania. Toda a operação foi planejada e as ações acompanhadas desde o início de maio de 2019.

As embarcações afundadas proporcionarão a formação de recifes artificiais, favorecendo a vida marinha e se convertendo em atrativo para o mergulho contemplativo. Assim, contribuirão para o fomento das atividades recreativas e do turismo náutico no estado da Bahia, em particular na BTS.

blank
A Capitania coordenou a operação de afundamento deliberado

Fonte: CCSM

Marcelo Barros
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui