Conduta de patrulha noturna em área rural

Durante o período de 25 de março a 26 de abril de 2024, o Batalhão de Operações Especiais de Fuzileiros Navais (BtlOpEspFuzNav), conhecido como Batalhão Tonelero, conduziu um intenso Adestramento de Equipes de Operações Especiais (Adst-Eq-OpEsp). Este treinamento histórico teve lugar na região de Guaratinguetá, São Paulo, marcando a primeira vez que a 1ª Companhia de Operações Especiais, RECON, realizou exercícios nessa área.

Interoperabilidade e Cooperação em Destaque

blank
Conduta de patrulha em área rural

O evento contou com o valioso apoio da Escola de Especialistas da Aeronáutica (EEAr) e do 3⁰ Batalhão de Ações Especiais de Polícia (3⁰BAEP) da Polícia Militar do Estado de São Paulo, evidenciando o constante aprimoramento da interoperabilidade entre as Forças Armadas e o estreitamento de laços com as Forças de Segurança Pública.

Desafios e Diversidade de Atividades

Marcha forçada de 8km

Durante o Adst-Eq-OpEsp, os participantes enfrentaram uma série de desafios em um novo ambiente operacional, incluindo atividades de orientação, navegação, tiro, comunicações, cuidados táticos com feridos em combate, patrulha em área rural e reconhecimento especializado. Um destaque especial foi a instrução de combate com facas, ministrada pelo renomado professor Waldevir Junior, enfatizando a importância da preparação abrangente para os diversos aspectos do combate.

Preparação Física e Resistência

O treinamento na Ilha da Marambaia, entre os dias 22 e 26 de abril, envolveu atividades como lançamento do kit “Helidrop”, exercícios de tiro e uma marcha forçada de 15km, carregando mochilas pesadas de 25kg, realizada em um impressionante tempo de 3 horas. Essas atividades visaram condicionar os militares a suportar longas distâncias e carregar cargas pesadas, preparando-os para os desafios operacionais mais exigentes.

Foco na Versatilidade e Prontidão

Instrução de combate com facas

O treinamento em novos ambientes e terrenos diversificados reforça a capacidade do Batalhão Tonelero de atuar em qualquer região do Brasil, garantindo sua prontidão e adaptabilidade diante de qualquer desafio. O Capitão-Tenente (FN) Herbert Teixeira, imediato da subunidade, destacou a importância dessas operações para manter os fuzileiros preparados e versáteis.

Marcelo Barros, com informações da Marinha do Brasil
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).