Vista parcial das instalações do HU-1 quando ainda operava no km 11 da Av. Brasil.

Com o surgimento da nova Aviação Naval Brasileira na década de 1950, tornou-se necessário criar um curso especializado para a formação de Aviadores Navais e pessoal de manutenção. Em resposta a essa necessidade, a Marinha do Brasil fundou, em 27 de maio de 1955, o Centro de Instrução e Adestramento Aeronaval (CIAAN), que desempenharia um papel crucial na capacitação dos futuros aviadores e técnicos.

Especialidade de Observador Aéreo Naval (OAN)

Antes da criação do CIAAN, a Marinha estabeleceu, através do Aviso Nº 3327 de 03 de dezembro de 1954, a Especialidade de Observador Aéreo Naval (OAN). As instruções para essa especialidade foram formalmente aprovadas pelo Aviso Nº 1720 de 27 de junho de 1955.

Primeiros Cursos e Instruções

Em 1º de março de 1956, teve início o primeiro curso de OAN. As aulas teóricas foram ministradas na Diretoria de Aeronáutica da Marinha, localizada na Rua do Acre, Nº 21, enquanto o CIAAN estava sendo preparado no Km 11 da Av. Brasil. Após a conclusão da parte teórica, os alunos foram matriculados no Aeroclube do Brasil para iniciar a instrução primária de pilotagem em aeronaves como o CAP-4 Paulistinha, Piper PA-20 e Fairchild PT-19.

Instalação e Desenvolvimento do CIAAN

blank
Instalações do CIAAN, na Avenida Brasil.

Em janeiro de 1957, o CIAAN foi oficialmente instalado no Km 11 da Av. Brasil, e em fevereiro do mesmo ano, iniciou-se o primeiro curso regular de OAN nas novas instalações. Em 1958, dois helicópteros Westland WS-52 Widgeon Mk-2 foram incorporados à frota para a instrução de voo dos oficiais já formados. Nos anos seguintes, o CIAAN adicionou os Bell-Kawazaki 47G e Bell 47D à sua frota, oferecendo helicópteros mais adequados para a instrução de voo.

Transferência para São Pedro da Aldeia

Em 1961, devido à determinação do Presidente da República de suspender os voos de instrução nas proximidades do Galeão, o CIAAN foi transferido para São Pedro da Aldeia – RJ, onde estava sendo construída a Base Aérea Naval. A transferência foi um desafio, devido à falta de instalações adequadas na nova localização, mas a formação de novos pilotos de helicópteros continuou.

Em breve uma nova matéria mostrando a nova fase do CIAAN em São Pedro da Aldeia.

Marcelo Barros
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).