Taubaté (SP) – Doze aeronaves e mais de 190 militares da Aviação do Exército foram empregados durante a Operação Agulhas Negras (OPAN), que se encerrou no dia 17 de setembro. A OPAN é uma simulação de combate de defesa externa, que capacitou mais de 4.300 militares da 2ª Divisão do Exército em diversos tipos de operações.

A atividade começou no dia 10 de setembro com Apronto Operacional, realizado no Forte Ricardo Kirk, em Taubaté. Foram reunidos militares e equipamentos, sendo mais de 70 blindados e 290 viaturas e armamentos que seriam utilizados em toda a Operação. A atividade contou com a presença do Comandante Militar do Sudeste, General de Exército Tomás Miguel Miné Ribeiro Paiva; do Comandante da 2ª Divisão de Exército, General de Divisão Luís Cláudio de Mattos Basto, do Comandante de Aviação, General de Brigada Fábio Serpa de Carvalho Lima, entre outras autoridades militares. Logo após o apronto a tropa deu início ao deslocamento para o combate simulado.

O local escolhido para o treinamento em 2022 foi a região do Vale do Paraíba, com atividades nas cidades de Caçapava, Taubaté, Guaratinguetá, Lorena, Areias, Cachoeira Paulista, São José do Barreiro, seguindo até Resende (RJ). Nesse período a Aviação do Exército, que mobilizou 193 homens e mulheres, atuou em assaltos aeromóveis, infiltração de tropa, apoio de fogo com tiros de foguete e de metralhadora, transporte de carga externa, entre outros.

O objetivo do treinamento foi manter o estado de prontidão das tropas em operações ofensivas, defensivas e de cooperação e coordenação com agências, além de exercitar a ação de comando e a capacidade de liderança em todos os níveis.

Fonte: Aviação do Exército

Marcelo Barros, com informações e imagens do Exército Brasileiro
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui