A natureza mostra sua força imponente através de fenômenos meteorológicos que desafiam a humanidade a cada ocorrência. No coração deste contexto encontra-se o ciclone tropical “Akará”, um visitante raro nas águas sul-brasileiras que exige atenção redobrada dos navegantes. Este evento, reclassificado recentemente devido à sua intensificação, é um lembrete da dinâmica constante e muitas vezes imprevisível do clima em nosso planeta.

O Fenômeno “Akará”

Originalmente identificado como uma depressão subtropical, o “Akará” evoluiu para um ciclone tropical, um fenômeno que, embora raro no Brasil, carrega consigo a potencialidade de alterar significativamente as condições marítimas. Localizado a cerca de 650 km a sudeste de Florianópolis, o ciclone move-se lentamente para o sul, longe da costa, mas próximo o suficiente para gerar preocupações entre aqueles que se fazem ao mar.

A Vigilância e Prevenção

O Centro de Hidrografia da Marinha, junto a instituições parceiras, monitora de perto o desenvolvimento do “Akará”. Ferramentas como o aplicativo “Previsão Ambiental Marinha (PAM)” e o “Boletim ao Mar” são essenciais para que navegantes se mantenham informados e preparados. A recomendação é clara: cautela e atenção às atualizações são indispensáveis para garantir a segurança no mar.

Marcelo Barros, com informações da Agência Marinha
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).