Em um belo dia ensolarado, algo impensável acontece. Você está em uma escuna navegando pelo mar de Guarapari (ES), quando o barco começa a sofrer um alagamento. O pânico surge entre os ocupantes, até que um número surge à mente: 185. Na tarde de sábado (15), este cenário tornou-se uma realidade para 41 pessoas. Felizmente, a equipe de militares da Capitania dos Portos do Espírito Santo (CPES) estava pronta para agir.

Operação de resgate da CPES: uma corrida contra o tempo

Quando a notícia da emergência chegou à Marinha do Brasil, a CPES foi rápida em responder. Com base em Vitória (ES), a equipe enviou uma embarcação ao local do incidente. Demonstrando habilidades de nível mundial em Busca e Salvamento, a equipe da CPES realizou o transbordo de todos os passageiros da embarcação avariada para uma outra escuna próxima, tudo de forma segura e eficiente.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

A missão da Marinha do Brasil: além da defesa

Além da sua função principal na defesa da pátria, a Marinha do Brasil desempenha um papel crucial na coordenação e execução de operações de Busca e Salvamento de pessoas em perigo no mar e em águas interiores. Em casos de risco, tripulantes, passageiros ou qualquer pessoa que esteja ciente de uma ocorrência envolvendo embarcações em perigo, podem acionar o Salvamar pelo telefone de emergências marítimas 185, ou entrar em contato com a Capitania dos Portos mais próxima.

Um ano de resgates de sucesso

Em 2022, o Salvamar Brasil registrou o resgate de 656 pessoas com vida em todo o País. As principais emergências foram naufrágios e incidentes de “homem ao mar”, quando pessoas caem de embarcações na água. Este episódio em Guarapari é apenas um dos muitos exemplos do compromisso da Marinha do Brasil com a salvaguarda da vida humana.

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).