blank

Google News

Há 65 anos, por meio do Decreto Presidencial no 41.352, de 22 de abril de 1957, foi criada a Tropa de Reforço e a sua ativação ocorreu em 1963, no Campo da Ilha do Governador, sendo, então, constituída pelas Companhias de Comando e Serviços e de Reconhecimento Anfíbio, bem como, pela Bateria de Canhões Automáticos Antiaéreos. A partir de 1971, recebeu a denominação de Comando de Reforço, quando foi transferida para sua sede atual, na histórica Ilha das Flores, retornando a denominação de Tropa de Reforço em 1981.

Entre no canal do Defesa em Foco no Whatsapp e fique por dentro de todas as notícias do dia

Desde sua criação, a Tropa de Reforço passou por diversas alterações em sua estrutura organizacional, com o propósito de acompanhar a evolução doutrinária e manter-se no estado da arte. Atualmente, conta com sete Unidades Subordinadas, responsáveis pelo Apoio ao Combate e o Apoio de Serviços ao Combate: o Batalhão Logístico de Fuzileiros Navais; o Batalhão de Viaturas Anfíbias; o Batalhão de Engenharia de Fuzileiros Navais; o Batalhão de Defesa Nuclear, Biológica, Química e Radiológica (NBQR); a Unidade Médica Expedicionária da Marinha; a Base de Fuzileiros Navais da Ilha das Flores; e a Companhia de Polícia.

Suas Unidades Subordinadas têm como foco principal o apoio aos Grupamentos Operativos de Fuzileiros Navais, provendo destacamentos especializados para o desempenho de atividades afetas à logística militar, garantindo a manutenção do poder de combate do Corpo de Fuzileiros Navais. Em completa sinergia com o Comando da Divisão Anfíbia, Força coirmã, a Tropa de Reforço contribui para o cumprimento da missão da Força de Fuzileiros da Esquadra.

Exemplos da grande capacidade expedicionária, capacidade anfíbia e permanente prontidão operativa da Tropa de Reforço, são as diversas e importantes participações dos Componentes de Apoio de Serviços ao Combate (CASC) nos Grupamentos Operativos de Fuzileiros Navais, organizados pela Força de Fuzileiros da Esquadra para o cumprimento das missões atribuídas pelo Comando de Operações Navais. Recentemente, destacam-se as participações nas Operações “COVID-19” e “GRANDE MURALHA”, para mitigação dos efeitos da pandemia causados à família naval e à sociedade em geral, bem como na Operação “ÁGATA”, arco Sul-Sudeste (2021), em que a Tropa de Reforço garantiu o apoio logístico da Força, operando a mais de 1.600 quilômetros de suas bases, em uma frente de quase trezentos quilômetros, na fronteira ocidental do Brasil. Relevante, também, foi a participação como núcleo do Grupamento Operativo de Fuzileiros Navais na Operação de Apoio à Defesa Civil em Petrópolis-RJ. Nesta ocasião, em aproximadamente oito horas, foram desdobrados cerca de quinhentos militares das Unidades Subordinadas, inclusive de um hospital de campanha, todos empregados em ações em prol da população afetada pelas fortes chuvas que assolaram aquela cidade.

Ao comemorarmos o 65o aniversário da Tropa de Reforço, torna-se relevante destacar e agradecer aos Comandantes e Tripulações que por aqui passaram e nos deixaram esse honroso legado. Aproveito ainda, para exortar os integrantes da Tropa de Reforço a seguirmos firmes com a competência e Espírito de Corpo inerentes aos Combatentes Anfíbios, trabalhando com profissionalismo e determinação para mantermos o nível de adestramento, observando a segurança do pessoal e do material. Assim, garantiremos condições para o constante aperfeiçoamento técnico-profissional dos militares, contribuindo na constituição do conjugado anfíbio e no cumprimento da missão institucional da Tropa de Reforço de bem servir ao Corpo de Fuzileiros Navais, à Marinha do Brasil e ao Brasil.

AQUI TEM TROPA!
ADSUMUS!

ELSON LUIZ DE OLIVEIRA GÓIS

Contra-Almirante (FN)

Comandante