Por Júlia Campos

O esporte tem o poder de unir pessoas e nações até além das linhas da competição. E, perto do fim dos Jogos Paralímpicos de Tóquio, esse elo foi comprovado mais uma vez. Na sexta-feira (03), o Tenente Médico da Força Aérea Brasileira Leonardo Mota, que atua no Hospital da Forças Armadas (HFA) como Chefe da Seção de Cirurgia Vascular, acompanhado do Médico Gustavo Stalen e da Enfermeira Ana Paula Zalem, socorreu o atleta belga de tênis em cadeiras de rodas Joachim Gérard, 32 anos. O atleta havia sofrido uma parada respiratória quando estava nas instalações da Vila Paralímpica.

esporte 1 (2).jpg

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

 Na ocasião, o militar, que estava em Tóquio como médico-chefe das seleções masculina e feminina de vôlei sentado, encontrava-se no departamento médico do prédio do Brasil, que era dividido com parte da delegação da Bélgica e da Alemanha. Ao ser avisado que um atleta estava caído desacordado, o Tenente Mota correu para o atendimento e, ao chegar ao local, deparou-se com Gérard inconsciente e recebendo atendimento do treinador.

Ao ver que se tratava de uma parada cardíaca, o Tenente logo se identificou, assumiu as manobras de ressuscitação e iniciou o uso de desfibrilador. Quando a ambulância chegou ao local, o atleta belga já estava consciente e orientado. De acordo com o Médico Leonardo, ao conversar com o profissional japonês que chegou para fazer o atendimento, ele explicou o que havia feito e qual era a suspeita do caso. Gérard foi levado ao hospital em Tóquio e, lá, descobriram uma doença cardíaca que predispunha à morte súbita.

paraolimpia.jpg

“Os médicos belgas e alemães me chamaram para discutir o caso e parabenizar pelo atendimento que prestei. E os treinadores do Gérard ficaram muito gratos e me presentearam com muito chocolate belga e champanhe”, contou o tenente médico brasileiro.

Fotos: arquivo pessoal

Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).