Risco cibernético força segurança marítima da África evoluir

blank

Google News

Um aspecto crítico da segurança marítima (e de longe o mais estudado no contexto africano) é a pirataria. O esforço e o financiamento para os esforços anti-pirataria deram frutos na África, especialmente ao longo do notório litoral da Somália, mas há sempre um medo de recorrência.

Infelizmente, a próxima questão da segurança marítima africana pode não vir da pirataria, mas de um ataque cibernético, para o qual poucos estão preparados. Um relatório do Instituto de Estudos de Segurança da África (ISS) divulgado no início deste mês destaca uma realidade difícil em termos de despreparo da segurança cibernética no setor marítimo africano. O relatório observa que muitos estados africanos não estão dedicando recursos suficientes para enfrentar os desafios atuais e futuros de segurança cibernética.

Como a maioria dos portos modernos e hubs logísticos integram tecnologias inovadoras, incluindo automação, a ameaça de um ataque de hackers aumenta tremendamente. Apesar de a África não ter experimentado nenhum incidente de ataque hacker, como aqueles que afetaram o setor marítimo no mundo desenvolvido, não é mais uma questão de se, mas quando tal incidente acontecerá.

É difícil encontrar pesquisas centradas na África sobre cibersegurança marítima, e é um campo em que poucas partes interessadas no setor se concentram em sua corrida para modernizar os portos. Notavelmente, essa conversa está atrasada, pois os últimos meses provaram que o setor marítimo global se tornou um playground de hackers. Portanto, é imperativo que a África aprenda com o impacto causado pelos hackers no mundo desenvolvido, o que causou o desligamento de hubs logísticos e perdas no valor de milhões de dólares. Uma estimativa recente do Centro de Estudos de Risco da Universidade de Cambridge descobriu que um ataque cibernético direcionado a bancos de dados de carga nos principais portos da região Ásia-Pacífico poderia resultar em US$ 110 bilhões em danos.

Devido à alta dependência dos 16 países africanos sem litoral para o acesso de seus vizinhos ao mar, um ataque cibernético seria muito prejudicial para suas economias. Por exemplo, o Porto de Mombaça serve cinco países da África Oriental, e o porto de Durban serve toda a região sul da África. É por essa razão que a África tem que se afastar da resposta reativa tradicional que a segurança cibernética vem recebendo e adotar uma abordagem mais proativa para reforçar portos e embarcações de um possível ataque.

Em junho, a empresa israelense de cibersegurança Naval Dome divulgou um relatório que indicava que houve um aumento de 400% nas tentativas de hacks entre fevereiro e maio de 2020, enquanto o COVID-19 estava no ápice. Ele observou as ameaças oriundas de malware, ransomware e e-mails de phishing, corroborando os resultados de um estudo semelhante da Safety at Sea e bimco, que descobriu que 31% das organizações do setor marítimo haviam sofrido um incidente cibernético em 12 meses antes de fevereiro de 2020 – um aumento em relação aos 22% registrados em 2019.

A IMO publicou diretrizes internacionais sobre gestão de riscos cibernéticos marítimos, e a maioria dos países da Europa e Ásia tem tomado uma abordagem regional cooperativa para melhorar sua preparação para a segurança cibernética. A Associação das Nações do Sudeste Asiático estabeleceu um acordo de cooperação em segurança cibernética, e na Europa, a Agência da União Europeia para a Segurança Cibernética supervisiona todo o aspecto da segurança cibernética do transporte marítimo e dos portos, incluindo a capacitação entre os Estados-membros.

No entanto, o recente relatório da ISS observou que, embora a União Africana e as Comunidades Econômicas Regionais (RECs) tenham defendido a segurança cibernética através de vários instrumentos legais, seu foco no setor marítimo é insuficientemente refletido.

Veja o caso da Convenção da União Africana sobre Segurança Cibernética e Proteção de Dados Pessoais (Convenção Malabo), que foi aprovada em 2014. Esta estrutura emblemática adota uma descrição geral das ameaças à segurança cibernética, mas não consegue abordar diretamente seu impacto palpável em indústrias cruciais como o marítimo. Apesar de seu papel de excesso na preparação da África em segurança cibernética, apenas 14 países assinaram a convenção, e ela foi ratificada por apenas oito desde 2014. Além disso, apenas 25 dos 55 países africanos aprovaram leis de proteção de dados. Em nível geral, as leis de segurança cibernética na África precisam ser harmonizadas para promover a cooperação transfronteiriça no enfrentamento do assunto.

Para todas as partes interessadas marítimas africanas, devemos fazer feno enquanto o sol ainda brilha, ou podemos contar com um ataque cibernético de bilhões de dólares em um futuro próximo.

Brian Gicheru Kinyua é um escritor independente com sede na cidade de Mombaça, Quênia, onde pesquisa e escreve sobre logística e economia azul africana. Seu foco principal é o desenvolvimento de navios e portos na África Subsaariana e como ele se encaixa na ordem marítima global. Também presta serviços de consultoria em comunicação e relações públicas.

Fonte: Maritime Executive

Assine nossa Newsletter


Receba todo final de tarde as últimas notícias do Defesa em Foco em seu e-mail, é de graça!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui