No dia 27 de setembro, o Projeto Amazônia Conectada (PAC) foi lançado no município de São Gabriel da Cachoeira (AM). A iniciativa promove conectividade na região amazônica por meio de ligações de fibra óptica. A ação foi acompanhada pelo Comandante do Exército Brasileiro, General de Exército Paulo Sérgio, por videoconferência.

De acordo com o General Paulo Sérgio, o projeto contribui para a integração da Amazônia brasileira. “Facilita muito a missão da Força na faixa de fronteira, na defesa da Pátria, na conexão com a ponta da linha, com os Pelotões Especiais de Fronteira, assim como na ajuda da Mão Amiga da Força nas comunidades ribeirinhas e nas terras indígenas”.

O Presidente do Processamento de Dados do Amazonas (PRODAM), Lincoln Nunes da Silva, destacou a ação. “Hoje estamos atendendo a escolas e hospitais, levando o conhecimento, a esperança e a oportunidade de garantir que o homem do interior tenha o acesso que temos na capital. Na área da educação, por exemplo, temos o Centro de Educação Tecnológica do Amazonas (CETAM) instalado em sete municípios, temos hospitais funcionando e temos a Universidade do Estado do Amazonas, que recentemente foi ligada no município de São Gabriel da Cachoeira”, concluiu.

Já o Comandante Militar da Amazônia, General de Exército Furlan, reiterou o fato de o projeto ser uma ferramenta que vem facilitando o comando e controle, as comunicações com as Forças e, principalmente, ajudando a sociedade.

Projeto Amazônia Conectada 
As fibras ópticas do PAC já beneficiam uma série de serviços no estado do Amazonas. A chamada Rede Vitória Régia (RVR) interliga as cidades via cabos ópticos lançados nos leitos dos rios. Os cabos estabelecem canais de transmissão de dados em alta velocidade, beneficiando tanto as organizações militares das Forças Armadas como a sociedade. Aproximadamente 1,9 mil quilômetros de cabos ópticos já foram instalados, conectando dez cidades do interior. Ao longo das infovias do Rio Negro, foram interligados os municípios de Novo Airão, Vila de Moura, Barcelos, Santa Isabel do Rio Negro e São Gabriel da Cachoeira. Ao longo do Rio Solimões, foram interligadas as cidades de Iranduba, Manacapuru, Coari e Tefé.

Em julho de 2021, o Exército Brasileiro estabeleceu um Acordo de Cooperação com o Governo do Estado do Amazonas, que, por intermédio do Processamento de Dados do Amazonas S/A (PRODAM), expandirá as redes metropolitanas para conectar órgãos públicos (de todas as esferas), escolas e hospitais à Rede Vitória Régia, o que ampliará a implementação de políticas públicas no interior do estado do Amazonas.

Atualmente, seis hospitais estão conectados à RVR e usufruem de serviços de telemedicina, inclusive com consultas com médicos do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, além de dez instituições de ensino fundamental, médio e técnico, e outras instituições, como o Tribunal de Justiça do Amazonas, o Tribunal Regional Eleitoral, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e a Polícia Militar do Amazonas.

O projeto destaca-se pelo seu caráter dual e pela complementariedade entre os interesses da Defesa e a aplicação para a sociedade brasileira. A rede de comunicações estabelecida pelo PAC, além de proporcionar ao Exército e às demais Forças Armadas meios modernos de comando e controle, permite que outros órgãos da administração pública federal, estadual e municipal possam implementar políticas públicas em localidades antes não beneficiadas e, consequentemente, a inclusão digital de milhares de famílias que passaram a contar com a capacidade provida pela nova infraestrutura, o que contribui para o progresso de toda a sociedade.

Dentre a série de serviços digitais que podem ser providos por uma rede de dados de alta velocidade e oferecidos à população do interior do estado do Amazonas, merecem destaque a internet, a telemedicina, o ensino a distância, a segurança pública, o trânsito e o turismo.

Fonte: Comando Militar da Amazônia
Marcelo Barros, com informações do Exército Brasileiro
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui