Google News

Por Wyllian Torres

Talvez você já tenha ouvido a expressão muito recorrente de que “conhecemos mais o espaço do que os oceanos da Terra” — o que é verdade. Estima-se que, hoje, mais de 80% dos oceanos ainda permanecem inexplorados. Em parte porque é uma área muito extensa — aproximadamente 71% da superfície da Terra é coberta por água e desse tanto, cerca de 97% é água salgada —, mas também porque ainda não desenvolvemos tecnologias verdadeiramente capazes de enfrentar altas pressões a mais de 11 quilômetros de profundidade. Mas, desse pouco explorado, o que se conhece do fundo do mar?

Nos últimos anos, temos descoberto incríveis espécies de vida marinha nos lugares mais remotos do oceano. Além disso, o fundo do mar contém uma grande variedade de formas de vida microbiana. Atualmente também sabemos que os oceanos são os responsáveis por absorver cerca de 90% do calor que o nosso planeta retém do Sol. Eles possuem dinâmicas de correntes responsáveis não apenas pela distribuição das correntes frias e quentes pelo mundo — dinâmica esta que afeta diretamente o clima global.

O que sabemos sobre o fundo do mar

Correntes oceânicas

blank
Principais correntes oceânicas (Imagem: Reprodução/NASA)

Se, aqui na superfície o deslocamento de massas de ar dá origem ao vento, as correntes marinhas são o constante movimento da água do oceano. Elas possuem uma complexa dinâmica e possuem nome, trajeto, temperatura e até mesmo níveis de salinidade. Durante o percurso, transportam calor e espalham sedimentos pelas águas. Graças a essa dinâmica, os mares de todo o mundo se conectam e formam um oceano global.

As águas se movimentam, predominantemente, em duas direções. Na horizontal, são as correntes marítimas; na vertical, são os chamados afloramentos, quando o fluxo desce para maiores profundidades ou sobe para a superfície. Este movimento ascendente tem ligação com as chamadas regiões de ressurgência, normalmente localizadas em regiões costeiras e ricas em vida marinha — por conta dos nutrientes que essa corrente traz do fundo do mar. O fluxo descendente é mais comum nas regiões polares do planeta, formando as correntes profundas.

O Brasil, por exemplo, possui algumas correntes, como a Corrente do Brasil, que flui para o sul até a costa do Uruguai, e a Corrente Norte Brasil, que vai para o norte até encontrar o mar do Caribe. No filme Procurando Nemo (2003), aparece um grupo de tartarugas pegando carona com uma correnteza — e isto não é mera invenção cinematográfica. É a chamada Corrente Leste Australiano, com início na costa nordeste da Austrália e se estende até a Grande Barreiras de Corais.

O relevo do fundo do mar

blank
Chaminé de sulfeto no fundo do mar (Imagem: Reprodução/NSF/NOAA)

Assim como a parte terrestre do nosso planeta possui uma grande complexidade e dinâmica geológicas, o fundo do mar também possui ilhas, vulcões extintos e ativos, cadeias de montanhas, fossas oceânicas e planícies abissais. Ao considerarmos todo o relevo do fundo do mar, estima-se uma profundidade média de 3,8 km —, embora o lugar mais profundo do mundo atinja mais de 11 km, na Fossa das Marianas, no Pacífico.

O mar profundo apresenta o maior bioma do nosso planeta; no entanto, é o menos explorado. Regiões com mais de 200 metros de profundidade abrangem cerca de 95% do volume total do oceano. Contudo, a maior parte da vida marinha se faz presente em ecossistemas costeiros, como os recifes. Infelizmente, cada vez mais a ação humana impacta direta ou indiretamente esses sistemas de vida, sendo que o aquecimento global é responsável pela morte em massa de corais pelo mundo.

O fundo do mar também guarda regiões repletas de fontes hidrotermais, formadas quando a água do mar encontra o magma através de fissuras e a, ao ser aquecida, são liberadas para cima e trazem substâncias como sulfeto de hidrogênio. Para bactérias quimiossintéticas, este é um verdadeiro oásis com fonte de energia — substituindo a luz do Sol. E estes microrganismos são apenas a base desse ecossistema de espécies únicas como caranguejos, anêmonas, camarões e vermes gigantes. São formas de vida que não dependem da energia solar.

Trincheira do Oceano Atlântico

blank
Fossa de Porto Rico, um dos lugares mais profundos do planeta, atingindo mais de 8 km de profundidade (Imagem: Reprodução/United States Geological Survey)

É uma das religiões mais profundas do de todo o planeta, chegando a mais de 8 km de profundidade e com uma extensão de 800 km. Para comparação, o Monte Everest tem pouco mais de 8 km de altitude — e é o ponto mais alto da superfície terrestre. A Trincheira do Oceano Atlântico é o lugar mais profundo do oceano Atlântico.

Há pouco tempo, pensava-se ser uma região estéril, entretanto, recentemente biólogos marinhos têm descoberto cada vez mais um rico ecossistema, com diversas espécies de tubarões, como o Tubarão-tigre e o Tubarão-fantasma — este raro de ser avistado. São formas de vida incrivelmente bem adaptadas para viverem em condição de extrema escuridão, baixa temperatura e uma grande pressão. Espécies que vivem da chamada Zona Nerítica — a uma profundidade maior que 200 metros — são adaptadas para viverem com pouquíssima luz ou quase nada. Daí para baixo, a maior parte das espécies são bioluminescentes, ou seja, emitem luz com o próprio corpo.

Alguns especialistas consideram essa exploração mais interessante do que a espacial. De certa forma, não deixa de ser um outro mundo — totalmente submerso. Conforme novas ferramentas tecnológicas são criadas, nossa capacidade de exploração também se amplia.

A água salgada dos mares

blank
Piscina de salmora localizada no fundo do mar do Golfo do México. É uma solução de água saturada de sal, geralmente de cloreto de sódio ou outros sais (Imagem: Reprodução/NOAA)

Estima-se que, em todo o oceano, existam 5,5 trilhões de toneladas de sal. É tanto sal que, se toda essa água secasse, formaria uma camada espessa de 45 metros de altura só de sal. Sua composição é um pouco diferente do sal que usamos para cozinhar, no entanto: cerca de 85% é composto por cloreto de sódio — o sal de cozinha —, enquanto 14% é feito de outros sais, como sulfato, magnésio, cálcio, potássio e bicarbonato; e 1% de uma infinidade de outros elementos. O oceano é uma verdadeira “sopa” com todos os elementos que estão na crosta terrestre e na atmosfera.

Toda essa quantidade de sal é o resultado de processos de erosão e dissolução das rochas terrestres ao longo de milhões de anos, transportado dos rios para o oceano. As reações químicas que ocorrem no fundo dos mares e as atividades vulcânicas também contribuem para essa soma. Até mesmo meteoros, mesmo que em uma quantidade bem pequena, também contribuem para a chegada de mais sais no mar.

E por que será que o mar não fica saturado de sal? Essa quantidade toda é balanceada através da perda desses elementos em sedimentos que decantam para o fundo do mar ou até mesmo na formação de esqueletos e carapaças de vidas marinhas — “nada se cria, tudo se transforma”.

Preservar para conhecer, e o contrário

blank
Tubarão-martelo, na Costa Rica (Imagem: Reprodução/Mission Blue)

Atualmente, nossa espécie tem ameaçado a vida marinha. Seja pela grande quantidade de lixo que produzimos e lançamos ao mar, ou, de maneira indireta, através do aquecimento global — hoje sabemos a ligação direta com o aumento do nível de CO2 na atmosfera — dizimando grandes recifes de corais pelo mundo.

Se, do pouco que exploramos o oceano, descobrimos uma grande diversidade de vida marinha e toda a complexa dinâmica das correntes de água pelo mundo, precisamos preservar este mundo aquático, antes que levemos à extinção espécies das quais nunca saberemos ter existido nessa vastidão de oceano. E que busquemos mais conhecimento sobre o fundo do mar para entender, de fato, a importância de sua preservação.

Fonte: Canal Tech, Oceano Para Leigos e FAPESP

Participe do nosso grupo e receba as principais notícias do Defesa em Foco na palma da sua mão.

blank

Ao entrar você está ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatsApp.



Assine nossa Newsletter


Receba todo final de tarde as últimas notícias do Defesa em Foco em seu e-mail, é de graça!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui