A Nuclep, peça fundamental no setor de caldeiraria pesada do Brasil, comemorou no dia 8 seus 43 anos de existência, marcados por uma trajetória de sucesso em diferentes setores. Entre os grandes feitos da companhia, estão a produção dos cascos semissubmersíveis para plataformas da Petrobrás em 2005 e a construção dos quatro cascos do Programa de Submarinos da Marinha (PROSUB). Agora, a empresa se prepara para novos desafios, como o fornecimento de equipamentos para Angra 3 e a parceria com a americana Holtec na construção de equipamentos nucleares para o Brasil.

Foco em pequenos reatores modulares e trocadores de calor para Angra 3

A parceria com a Holtec foi firmada pelo presidente da Nuclep, Carlos Seixas, e o vice-presidente de projetos internacionais da Holtec, Rick Springman, durante a feira Nuclear Trade & Technology Exchange (NT2E). O acordo tem como objetivo unir os projetos da Holtec à capacidade e expertise da Nuclep na construção de equipamentos nucleares para o país, como pequenos reatores modulares (SMRs) e trocadores de calor para a usina de Angra 3.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Atuação no desenvolvimento do submarino nuclear brasileiro

Sob a gestão de Carlos Seixas, a Nuclep tem fortalecido sua posição no setor nuclear brasileiro, incluindo a participação na construção do Laboratório de Geração de Energia Nucleoelétrica (LABGENE) em parceria com a Amazul. A empresa também se prepara para iniciar a construção da Seção de Qualificação do submarino nuclear brasileiro. A Nuclep é a única companhia no país capaz de construir um submarino nuclear, e espera participar da construção do casco e de outros equipamentos do submarino no futuro.

Expansão no segmento de energia e fornecimento para Angra 3

Enquanto comemora a entrega bem-sucedida dos cascos dos quatro submarinos convencionais do PROSUB, a Nuclep também marca sua entrada no segmento de produção de torres de transmissão de energia. Além disso, a empresa está em negociações e conversas com a Eletronuclear, buscando novos contratos para fornecimento de equipamentos para a usina nuclear de Angra 3.