Curso de introdução à Energia Nuclear (Foto equipe Setcos - IEN)

Oficiais e funcionários da Amazul, lotados na Agência Naval de Segurança Nuclear e Qualidade (AgNSNQ) e na Coordenadoria-Geral do Programa de Desenvolvimento de Submarino com Propulsão Nuclear (COGESN), realizaram, no período de 23 de agosto a 1º de setembro, o curso “Introdução à Energia Nuclear”, oferecido pelo Instituto de Engenharia Nuclear (IEN), instituição científico-tecnológica da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN).

O curso “Introdução à Energia Nuclear”, de caráter básico, é voltado para engenheiros de diversas especialidades que precisam lidar com sistemas eletro-mecânicos de plataformas navais que possuem interfaces com o reator nuclear, consistiu das seguintes disciplinas: física das radiações ionizantes; proteção radiológica; instrumentação nuclear (detetores); termo hidráulica de reatores nucleares; realidade virtual para proteção física de instalações nucleares e gerenciamento de rejeitos radioativos; e funcionamento de simuladores. Ele incluiu visita ao Reator “Argonauta”, reator de pesquisa do IEN.

Será realizado ainda, na segunda quinzena de setembro, o curso avançado “Laboratório de Física de Reatores (Reator ‘Argonauta’)”, para três tripulantes da AgNSNQ (dois mestres e um doutor na área nuclear). O curso consistirá em uma aula semanal, de oito horas, ao longo de dez semanas, a ser ministrada no Reator “Argonauta”. Os alunos serão instruídos sobre vários aspectos da operação segura do reator por meio de experiências programadas.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

sala de controle do reator argonauta
Sala de Controle do Reator “Argonauta”

A parceria com o IEN representa um passo importante no aprimoramento da capacitação dos quadros da área nuclear naval da Marinha. Além disso, ela permitirá incrementar a interação com aquele instituto, possibilitando colaborações futuras no âmbito de uma cooperação técnica que a evolução do projeto de obtenção do submarino convencionalmente armado com propulsão nuclear provavelmente demandará.

Marcelo Barros, com informações da Marinha do Brasil
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).