O Forte Marechal Luz completou 105 anos de existência no dia 21 de dezembro. O local histórico é aberto à visitação e serviu para a proteção do Brasil. Inaugurado em 21 de dezembro de 1915, tem como patrono o Marechal Francisco Carlos da Luz, militar que serviu nas Forças Armadas do período imperial até o início da República.

Apesar da data de inauguração, o local serve à Nação desde o início do século XVIII, quando os portugueses instalaram uma bateria de canhões na Ponta do João Dias, no Morro do Alemão, com o intuito de defender o litoral dos espanhóis, ingleses e franceses.

Mais tarde, com o argumento que diversos pontos da cidade estavam desprotegidos e ameaçados, autoridades locais solicitaram a criação de uma Companhia de Artilharia em 1822, mas as obras para uma fortificação, a fim de manter a região ainda mais segura, foram iniciadas apenas em 1909.

O forte foi desativado em 1977, depois que o Exército adotou uma nova concepção de defesa do litoral. Em 1996, após uma reforma, foi aberto para a visitação, sendo que o antigo paiol e as casamatas viraram um pequeno museu, e suas instalações, que antes eram alojamentos, hoje são 45 unidades habitacionais disponíveis para a hospedagem de militares, administradas pela Base de Administração e Apoio da 5ª Divisão de Exército.

blank

Fonte: Base de Administração e Apoio da 5ª Divisão de Exército
Marcelo Barros
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui