A Força Aérea Brasileira (FAB) realizou uma missão de alta complexidade no dia 26 de fevereiro, ao transportar um fígado de Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul, para Belém, no Pará. A cirurgia de transplante foi realizada com sucesso no Hospital Santa Casa de Misericórdia do Pará, marcando um marco histórico para a rede pública do estado. A paciente, que lutava contra uma doença incurável, está se recuperando bem.

A missão teve início à meia-noite do sábado (25/02) para domingo (26/02), após a equipe do Sexto Esquadrão de Transporte Aéreo (6° ETA) ser acionada pela Central Nacional de Transplante (CNT). O transporte do fígado foi realizado em uma aeronave U-100 Phenon, e a missão durou cerca de seis horas, um dos trajetos mais longos já realizados pela FAB.

A Força Aérea Brasileira é responsável pelo transporte de órgãos para transplante em todo o território nacional, e em 2021 já foram realizados cerca de 20 transportes de órgãos pelo 6º ETA. O transporte de órgãos é uma missão de alta complexidade que exige agilidade e precisão por parte da equipe envolvida. Cada órgão transportado é uma vida em jogo, desde os mais simples até os mais complexos, como o coração.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

i233312370209113

O Tenente Aviador Victor Hugo Masula Nunes, responsável pela operação, destacou a importância da agilidade na realização da missão. “A Força Aérea tem o prazo de até três horas para decolar e sempre tem tripulações de sobreaviso para realizar a missão. Algumas vezes é necessário transportar mais de um órgão, e precisamos de bastante agilidade para que o órgão esteja disponível para o receptor”, afirmou o piloto.

A FAB cumpre um papel essencial no transporte de órgãos para transplante em todo o Brasil, contribuindo para salvar vidas e garantir a saúde e o bem-estar da população. A missão realizada no dia 26 de fevereiro é mais um exemplo da dedicação e comprometimento da equipe da Força Aérea Brasileira em cumprir sua missão com excelência.

Fotos: Major Evangelista / COMPREP

Marcelo Barros, com informações da Agência Força Aérea
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).