blank

O Primeiro Esquadrão do Oitavo Grupo de Aviação (1º/8º GAV) – Esquadrão Falcão, sediado na Base Aérea de Natal, em Parnamirim (RN), resgatou, nessa sexta-feira (15), um pescador com hipotensão e desidratação. O Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), organização da Força Aérea Brasileira (FAB) responsável pela coordenação de missões aéreas, acionou o Esquadrão após solicitação do Centro de Coordenação de Salvamento Aeronáutico de Recife (SALVAERO Recife). O primeiro contato do pesqueiro com os órgãos do sistema de Busca e Salvamento foi realizado às 13:52h do dia 15 de julho, quando a embarcação estava navegando a cerca de 222,2 quilômetros a nordeste de Natal (RN). Já o acionamento, ocorreu às 15h44.

blankA aeronave H-36 Caracal decolou de Parnamirim (RN) às 16:10h para efetuar o resgate do enfermo. Após o içamento da vítima, o helicóptero prosseguiu para a Base Aérea de Natal, onde pousou às 17:55h (horário local). Em função do pequeno porte da embarcação, da ausência de um convés e das condições de mar revolto, não foi possível efetuar o resgate da vítima a partir do pesqueiro. Para alcançar o enfermo, os demais tripulantes do navio colocaram a vítima na água e somente após essa manobra, os Homens de Resgate conseguiram chegar até a vítima e efetuar a ação com uso de uma alça de içamento. As condições meteorológicas dificultaram a missão.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

blank“A visibilidade no local do resgate estava muito prejudicada em função da cobertura de nuvens e pela proximidade do pôr do sol, esse fator dificultou a operação”, explicou o Comandante da aeronave, Capitão Alan Dickson Brito de Medeiros.

Por sua vez, o Sargento Rodrigo Cezar de Souza Monçores, Homem de Resgate que participou da missão, destacou que a coordenação entre os órgãos de coordenação (SALVAERO e SALVAMAR) e a tripulação do pesqueiro no sentido de posicionar a vítima na água foi fundamental para o sucesso da missão. “Isso porque as condições de mar e as características físicas do navio não possibilitavam o resgate a partir do interior da embarcação”, concluiu.

A tripulação do helicóptero foi composta por nove militares, sendo três pilotos, um mecânico, dois operadores de equipamentos, três homens de resgate, uma médica e um enfermeiro.

Fotos: Esquadrão Falcão / Sargento Bianca (CECOMSAER)