A Força Aérea Brasileira (FAB) realizou, nesta quarta-feira (25/05), o lançamento dos primeiros satélites do Projeto Lessonia – 1. Os dois satélites de Sensoriamento Remoto Radar (SRR), denominados Carcará I e Carcará II, foram lançados por meio do foguete Falcon 9, da SpaceX, no Centro Espacial Kennedy, em Cabo Canaveral, nos Estados Unidos (EUA). No Brasil, a operação foi acompanhada do Centro de Operações Espaciais (COPE), em Brasília (DF), com transmissão, ao vivo, pelo canal oficial da SpaceX no Youtube.

A cerimônia contou com a presença do Ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, do Comandante da Força Aérea Brasileira, Tenente-Brigadeiro do Ar Carlos de Almeida Baptista Junior, Ministros de Estado, Oficiais-Generais da Marinha do Brasil, do Exército Brasileiro e da Força Aérea Brasileira, além de outras autoridades.

i2252519181307672As imagens captadas pelos satélites serão utilizadas em apoio ao combate ao tráfico de drogas e mineração ilegal, atualização de produtos cartográficos, determinação da navegabilidade dos rios, visualização de queimadas, monitoramento de desastres naturais, vigilância da Zona Econômica Exclusiva (ZEE) e apoio às operações de vigilância e controle das fronteiras, entre outras capacidades.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Em seu discurso, o Ministro da Defesa destacou os benefícios que esse avanço tecnológico trará ao país. “A região amazônica será uma das maiores beneficiadas com o monitoramento permanente e com maior precisão nas informações essenciais para decisões estratégicas. Destaco a dualidade do emprego desses satélites com aplicações militares e civis o que reitera a histórica contribuição das forças armadas para o desenvolvimento nacional e para o bem estar da gente brasileira.Temos que agradecer ao Presidente Bolsonaro pelo apoio irrestrito ao projeto, que agora é uma realidade e pelo amplo endosso que sempre conferiu aos programas e projetos estratégicos das Forças Armadas”, ressaltou.

i2252518545907714O Comandante da Força Aérea Brasileira explicou que esse é um passo importante para o conhecimento e controle do nosso território. “Os satélites da ICEYE vão utilizar a tecnologia radar para monitorar o nosso território, essa tecnologia permite observar o terreno mesmo quando há uma cobertura de nuvens. São mais precisos que os satélites que fazem varredura ótica, que possuem uma leitura mais limitada, porque não “furam” as nuvens e restrigem nossa capacidade de monitorar regiões como a Amazônia”, explicou.

Projeto Lessonia – 1

Consiste na aquisição de uma constelação de satélites de órbita baixa. De emprego dual, visam atender às necessidades operacionais das Forças Armadas, do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (CENSIPAM), bem como de agências governamentais. O sistema de imageamento do Projeto Lessonia utiliza um Sensor Ativo de Detecção capaz de gerar imagens de altíssima resolução, que podem ser obtidas a qualquer hora do dia ou da noite, independentemente das condições meteorológicas, pois o sinal emitido atravessa as nuvens. Dessa forma, é possível o monitoramento continuado de áreas de interesse do Brasil.

i2252519194809181Os satélites foram contratados e adquiridos da empresa finlandesa ICEYE, em 2020, na gestão do atual Governo Federal, com recursos do orçamento do Ministério da Defesa, desenvolvidos e fabricados ao longo do ano de 2021.

O Projeto Lessonia integra o Programa Estratégico de Sistemas Espaciais (PESE). Executado pela Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate (COPAC), Organização Militar da FAB, ele disponibiliza produtos duais (civil e militar) a serem utilizados de forma integrada em benefício de toda a sociedade brasileira.

Buscando cumprir plenamente o programa estratégico de sistemas espaciais, no futuro, também está prevista a implantação de um conjunto de satélites, de fabricação nacional, para obtenção de imagens óticas, o que complementará a capacidade do Ministério da Defesa de imagear o território nacional, atendendo, assim, a todas as demandas governamentais.

Características dos satélites

i2252519085909179

 

Dimensões: 1m³

Peso: 100kg

Painéis Solares: 5

Potência: 300W

 

Confira aqui o vídeo da matéria

Fotos: Sargento Bianca Viol e Sargento Viegas / CECOMSAER

Vídeo: Sargento Ronan e Sargento Mônica / CECOMSAER

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).