O Centro de Adestramento – Leste (CA – Leste) é uma organização militar do Exército Brasileiro que contribui para o preparo da Força Terrestre conduzindo o adestramento de tropas e visando o emprego em operações o mais próximas da realidade possível, por meio da Simulação de Combate. Em 2020, o CA – Leste manteve suas atividades voltadas para o adestramento de efetivos, tendo participado de ações preparatórias de grande vulto.

No período compreendido entre 22 de junho e 1º de outubro de 2020, o CA – Leste participou da Certificação do Sistema de Prontidão da Força Terrestre (SISPRON), sob a coordenação do Comando de Operações Terrestres (COTER), certificando como Força de Prontidão (FORPRON) a Brigada de Infantaria Pára-quedista e a 12ª Brigada de Infantaria Leve. Já a partir de 16 de novembro, iniciou a certificação da 23ª Brigada de Infantaria de Selva.

No período de 26 a 29 de outubro, foi realizado o Exercício de Simulação Construtiva (Jogo de Guerra) da Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais (EsAO) e da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (ECEME). O exercício teve por finalidade promover a integração entre os corpos discente e docente da EsAO e ECEME, em um ambiente de Simulação Construtiva, baseado no software COMBATER. Essa plataforma proporciona uma representação gráfica do cenário, sendo capaz de representar as operações continuadas do combate, do apoio ao combate e da logística.

Desde 2019 e, prosseguindo em 2020, o CA – Leste iniciou as atividades de preparação (Operação Arroio) de uma subunidade da Brigada de Infantaria Pára-quedista para a realização de uma operação de adestramento bilateral entre o Exército Brasileiro e dos Estados Unidos da América (EUA). Os exercícios de adestramento, denominados Operações Arroio, prepararam a subunidade Culminating para o exercício combinado que ocorrerá no primeiro trimestre de 2021, no Joint Readiness Training Center (JRTC), nos EUA. Nessa operação, a SU Culminating será empregada como tropa componente da 82ª Airborne Division, tropa de elite do Exército Norte-Americano, valorizando ainda mais a Força Terrestre brasileira.

As informações são do Exército Brasileiro.

Marcelo Barros
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui