Os Esquadrões de Transporte Aéreo Tracajá (1º ETA) e Cobra (7º ETA), localizados, respectivamente, na Ala 9, em Belém (PA), e na Ala 8, em Manaus (AM), concluíram nesta terça-feira (10), o Exercício Técnico (EXTEC) Pista Crítica – Fase 2. O treinamento iniciado no dia 4 de novembro, foi sediado no Destacamento de Aeronáutica de São Gabriel da Cachoeira (DESTAE-UA), Organização Militar da Força Aérea Brasileira (FAB) localizada no extremo norte do Brasil.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

O Exercício foi um complemento da primeira etapa, realizada em Boa Vista (RR) durante o mês de julho, totalizando mais de 800 treinamentos de pouso curto. Cerca de 60 tripulantes, entre pilotos e mecânicos de voo, receberam instruções e adestramento, de forma a manter a operacionalidade na aeronave C-98 Caravan para pousos e decolagens nas pistas de Bonfim, Normandia, Surucucu, Uiramutã, Maturacá, Querari, Tunuí e Pari-Cachoeira, todas localizadas em Pelotões Especiais de Fronteiras do Exército Brasileiro.

blank

“Após dois anos de implantação, tenho a certeza de que valeu a pena o esforço para realizar um Exercício nos mais distantes rincões da nossa Amazônia, onde superamos todas as dificuldades logísticas, operacionais e de comunicação e controle. Graças à reestruturação da Força, estamos entregando pilotos prontos para enfrentar as mais restritas pistas do Brasil”, disse o Comandante do Esquadrão Tracajá, Tenente-Coronel Aviador Lázaro de Andrade Stallone.

O Tenente Aviador Matheus Lima Mendes Alves, do 7° ETA, que também participou da primeira fase do Exercício, destacou o ganho operacional advindo de todo o EXTEC. “Considero que o treinamento foi muito válido para o crescimento dos Esquadrões como um todo. Com certeza estou mais preparado e confiante para, no futuro, operar em pistas críticas e semipreparadas”, ressaltou.

A Fase II do EXTEC completa o pacote de treinamento em pistas críticas para o aprimoramento das tripulações, em especial, dos pilotos oriundos do Esquadrão Rumba (1°/5° GAV), como destacou o Tenente-Coronel Aviador Rodrigo Fonseca da Silva Rosa. “A segunda fase do exercício ratifica a importância dos tripulantes se capacitarem em pistas críticas, possibilitando assim a continuidade da integração do território brasileiro. O Exercício congratula com sucesso e segurança todo o planejamento dos Esquadrões Cobra e Tracajá para o ano de 2020”, concluiu o Comandante do 7° ETA.

Fotos: Tenentes Dantoniele e Nijeslchi/7º ETA

Fonte: 7º ETA, por Tenentes Dantoniele e Nijeslchi
Edição: Agência Força Aérea – Revisão: Major Monteiro
Marcelo Barros
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).