Os estagiários do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia (CAEPE) da Escola Superior de Guerra (ESG) tiveram a oportunidade de visitar a histórica Escola Naval (EN) na última quarta-feira (12). Acompanhados pelo comandante da EN, Contra-Almirante Vagner Belarmino de Oliveira, os visitantes participaram de palestras e conheceram as instalações da instituição mais antiga de ensino superior do Brasil.

Palestras e Aprendizado

Palestra sobre a História da Escola Naval

blank

A visita começou com uma palestra que mergulhou os estagiários na história da Escola Naval, a mais antiga instituição de ensino superior do Brasil. Fundada em 1782 como a Academia Real de Guardas-Marinha em Lisboa, a instituição foi trazida para o Brasil em 1808 junto com a Família Real. Inicialmente instalada no Mosteiro de São Bento, a escola mudou-se para a Ilha de Villegagnon em 1938, onde permanece até hoje. A palestra destacou momentos históricos e a evolução da instituição ao longo dos séculos, ilustrando seu papel fundamental na formação de oficiais da Marinha do Brasil.

Rosa das Virtudes e a Busca pela Excelência na Carreira Militar

Outro ponto alto da visita foi a palestra sobre a Rosa das Virtudes, que abordou os valores e orientações essenciais para se alcançar a excelência na carreira militar. Os estagiários foram apresentados aos princípios que norteiam a vida dos aspirantes e oficiais da Marinha, enfatizando a importância de virtudes como disciplina, lealdade, coragem e honra. Essa discussão inspirou os visitantes a refletirem sobre sua própria trajetória e o papel dessas virtudes em suas carreiras.

Importância do Compartilhamento de Conhecimentos Adquiridos

Ao final da visita, o Capitão de Mar e Guerra Luiz Guilherme Martins Bueno de Paiva, representando a turma CAEPE 2024, expressou sua gratidão pela oportunidade de conhecer a Escola Naval e aprender com seus integrantes. O Contra-Almirante Vagner Belarmino de Oliveira reforçou a importância de difundir os conhecimentos adquiridos para a sociedade, sublinhando que a troca de experiências e informações entre as diferentes instituições militares contribui significativamente para o fortalecimento da defesa nacional.

Marcelo Barros, com informações do Ministério da Defesa
Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui