Deputado Federal assiste à apresentação sobre o PROSUB proferida pelo Vice-Almirante (RM1-EN) Neves

O Deputado Federal Paulo Ganime, acompanhado de Comitiva, visitou, em 26 de janeiro, as instalações do Programa de Submarinos (PROSUB) no Complexo Naval de Itaguaí, localizado na Região Metropolitana do Rio de Janeiro.

O objetivo da visita foi apresentar ao Parlamentar a concepção e as instalações do PROSUB, onde avança a construção simultânea de quatro Submarinos Convencionais (S-BR), em diferentes estágios de prontificação, estando o Submarino “Riachuelo” (S-BR1) cumprindo os testes de aceitação no mar, iniciados em dezembro de 2019.

A comitiva foi recepcionada com uma apresentação abordando a estrutura e as principais atividades do PROSUB. Na sequência, percorreu as instalações da oficina de montagem da Unidade de Fabricação de Estruturas Metálicas, onde conheceu a complexa montagem de estruturas, equipamentos e sistemas em diferentes estágios de instalação no interior das seções do “Angostura” (S-BR4). Na Área Sul, o Deputado visitou o “Main Hall” do Estaleiro de Construção, onde o “Tonelero” (S-BR3) recebe equipamentos e sistemas para prontificá-lo para o lançamento ao mar, em 2022. No cais 12, esteve a bordo do “Riachuelo”, primeiro submarino a ser entregue ao Setor Operativo, previsto para o dia 7 de setembro. No Departamento de Treinadores e Simuladores, a comitiva foi apresentada à tecnologia no estado da arte do treinador de imersão e do simulador de ataque, responsáveis pelo adestramento e qualificação das tripulações dos S-BR. A visita foi encerrada nas instalações da Base de Submarinos da Ilha da Madeira (BSIM).

blank
Paulo Ganime é recebido com honras pelo Comandante da
Base de Submarinos da Ilha da Madeira

O cronograma atual do PROSUB prevê o lançamento ao mar do “Tonelero” em 2022, do “Angostura” em 2023 e do “Álvaro Alberto” (SN-BR), o primeiro submarino convencional com propulsão nuclear do Brasil, em 2031. Este último contribuirá para ampliar a capacidade de patrulhamento ao longo da Amazônia Azul. A extensão marítima demanda a presença de uma Marinha com capacidade para o combate no mar e para o combate pelo mar, constituindo-se o SN-BR em um meio de elevada proatividade para a defesa eficaz desse espaço vital.

Fonte: Marinha do Brasil

Marcelo Barros
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui