Desde os primeiros momentos das fortes chuvas que atingiram o Rio Grande do Sul, equipes de resgate, como a do 1° Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral do Sul (EsqdHU-51), têm demonstrado bravura e dedicação ao arriscar suas próprias vidas para salvar os afetados. O Comandante do EsqdHU-51, Capitão de Fragata Glaucio Alvarenga Colmenero Lopes, compartilhou que os primeiros dias foram intensos, com diversas missões de resgate realizadas.

A emoção a cada resgate, a cada vida içada pelo guincho da aeronave, nos dava a sensação de que estávamos cumprindo nossa missão“, relata o comandante. As operações de resgate por içamento são extremamente complexas, exigindo máxima atenção e concentração da equipe, especialmente em condições adversas, como cidades submersas e tráfego intenso de helicópteros.

Desafios e Emocionantes Reencontros

Os desafios enfrentados pelas equipes de resgate são muitos. Segundo o Capitão de Fragata Colmenero, além das dificuldades técnicas, há também o fator emocional. “Durante o translado para a área de evacuação, era impossível não se emocionar ao ver a mistura de alívio e tristeza nas pessoas resgatadas”, conta.

blank

Em algumas situações, crianças foram resgatadas sem a companhia de seus pais, que não estavam presentes ou devido à limitação de espaço nos helicópteros. O reencontro de familiares em campos de evacuação proporcionava momentos de grande alívio e emoção para todos envolvidos. “Ver o reencontro de familiares e amigos durante nossos pousos breves era uma das experiências mais gratificantes”, afirma o Suboficial Lauro Cassol Jaques, tripulante do EsqdHU-51.

Desenhos que Tocam o Coração

As crianças do RS, mesmo as que acompanham de longe o trabalho dos pilotos e tripulantes, têm expressado sua admiração através de desenhos. Estes pequenos gestos representam o reconhecimento da comunidade pelo trabalho incansável dos militares. “Receber desenhos de crianças nos agradecendo e chamando-nos de heróis é uma das maiores recompensas que podemos ter”, diz o Capitão de Fragata Colmenero.

Os desenhos não só servem como uma forma de agradecimento, mas também como uma maneira de trazer um pouco de alegria e esperança em meio ao caos. Para os militares, esses pequenos gestos têm um impacto significativo, reforçando o sentido de sua missão.

Cumprimento do Dever com Orgulho

O trabalho dos militares do EsqdHU-51 não é apenas uma missão, mas uma demonstração de dedicação e amor ao próximo. “Cada vida salva é um lembrete do porquê escolhemos essa carreira“, enfatiza o Comandante do Esquadrão. O reconhecimento, seja através de desenhos ou palavras de gratidão, fortalece o compromisso e a determinação dos militares em continuar a proteger e salvar vidas.

As operações de resgate no Rio Grande do Sul são uma prova viva da importância da atuação das forças armadas em situações de emergência. A resposta rápida e eficiente das equipes tem sido vital para minimizar os impactos das enchentes e trazer conforto às famílias afetadas.

Marcelo Barros, com informações e imagens da Agência Marinha
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).