Uma barraca que alojava servidores do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Força Nacional e Polícia Militar foi incendiada na noite da última sexta-feira (22), por volta de 23h, na região amazônica. O acampamento operacional de combate ao desmatamento, por meio da Operação Guardiões do Bioma, localiza-se na Floresta Nacional Jamanxim (Flona do Jamanxim), próximo ao distrito de Castelo dos Sonhos, a 970 km do município de Altamira, no estado do Pará. 

No momento do incêndio, não havia ninguém no acampamento, também chamado de Barreira de Fiscalização, dessa forma, não tiveram feridos. A ação criminosa ocorreu após a prisão de duas pessoas por desmatamento ilegal na Flona do Jamanxim.  Os suspeitos foram autuados em flagrante na última sexta-feira (22) e encaminhados ao presídio de Itaituba (PA). Na ocasião, um trator usado para a prática de crime ambiental foi destruído, uma motosserra foi apreendida e a área foi embargada.

Para garantir a segurança da equipe de fiscalização na região amazônica, a Secretaria de Operações Integradas (Seopi), do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP), em Novo Progresso, coordenou uma ação com a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e a Força Nacional. Também foi acionada a Polícia Civil e Polícia Militar.

Operação Guardiões do Bioma

A Operação Guardiões do Bioma vem atuando desde março na região, combatendo o desmatamento ilegal nas unidades de conservação. A Floresta Nacional Jamanxim é uma das áreas que mais sofre com a destruição da floresta na Amazônia.

Mais ações 

No dia 20 de julho, na Flona do Jamanxim, uma balsa escariante de grande porte foi apreendida e destruída após denúncia recebida na base de Novo Progresso. Ela tinha capacidade de retirar até 1kg de ouro por dia e nas instalações havia internet, televisão e ar condicionado, além de todo o aparato para garimpo.

Equipe composta pelo ICMBio, PRF e Força Nacional localizou a embarcação às margens do Rio Curuá, dentro da Floresta Nacional de Altamira. Seis pessoas foram presas pela Polícia Federal de Itaituba, sendo cinco homens e uma mulher.

Com informações do ICMBio 

Marcelo Barros, com informações do Ministério da Defesa
Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui