Entre os dias 20 e 24 de maio, o Comando do 1º Distrito Naval (Com1ºDN) conduziu a Operação “Leão I/2024” para garantir a segurança marítima, terrestre e NBQR (Nuclear, Biológica, Química e Radiológica) do porta-aviões de propulsão nuclear USS George Washington. A operação marcou o encerramento da Operação “Southern Seas 2024”.

Plano de Medidas Preventivas

Para assegurar a proteção do USS George Washington, foi estabelecido um robusto plano de medidas preventivas, executado pelos seguintes grupos:

  • Grupos de Segurança Marítima e Terrestre.
  • Grupos de Segurança NBQR.

Esses grupos realizaram diversas ações, incluindo:

  • Ações de Fiscalização do Tráfego Aquaviário (AFTA).
  • Ações anti-drone.
  • Varredura de artefatos explosivos.
  • Controle de acesso.
  • Monitoramento radiológico.

Esforço Conjunto e Cooperação Militar

Coordenada pelo Com1ºDN, a operação não só assegurou a segurança durante a visita do USS George Washington, mas também fortaleceu a interoperabilidade e a cooperação militar entre as nações. Este esforço conjunto destacou a capacidade e o preparo da Marinha do Brasil para operações com navios de guerra de propulsão nuclear.

Participação do NPaOc Amazonas

blank
O NPaOc “Amazonas” garantiu a segurança marítima do USS George Washington

O Navio-Patrulha Oceânico (NPaOc) “Amazonas” desempenhou um papel crucial, garantindo a segurança marítima do USS George Washington durante toda a operação. A presença do NPaOc “Amazonas” foi essencial para a realização das medidas de proteção e monitoramento das águas jurisdicionais brasileiras.

Impacto e Importância

A Operação “Leão I/2024” não apenas assegurou a proteção de um dos mais importantes navios de guerra dos Estados Unidos, mas também evidenciou a capacidade técnica e operacional da Marinha do Brasil. A operação demonstrou a habilidade das forças brasileiras em conduzir operações complexas e garantir a segurança em situações de alta relevância estratégica.

MARINHA DO BRASIL NAVEGA RUMO À ÁFRICA PARA FORTALECER SEGURANÇA E COOPERAÇÃO INTERNACIONAL NO GOLFO DA GUINÉ

Marcelo Barros, com informações e imagens da Marinha do Brasil
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui