A reunião, realizada em 22 de maio, reuniu representantes da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Norte (FIERN), da Empresa Gerencial de Projetos Navais (Emgepron), da Marinha do Brasil, do Sindicato da Indústria da Pesca do RN (SINDIPESCA-RN), armadores e empresários do setor para discutir o Cluster Tecnológico Naval. Esse cluster foi criado para promover o desenvolvimento da economia do mar no estado e está agora se movendo de um estágio de planejamento para um de execução.

Uma nova fase para a economia do mar

cluster1 1180x786 1

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

A FIERN vê a reunião como o início de uma nova era. O presidente eleito da FIERN, Roberto Serquiz, enfatizou a importância do cluster para a economia do mar, destacando que a reunião permitiu a entrada de diversos players no setor, como offshore, logística, segurança jurídica, e outros, ao mesmo tempo em que o Cluster Naval avança cada vez mais.

Oportunidades para negócios

O almirante Flávio Macedo Brasil, diretor técnico-comercial da Emgepron, apresentou o funcionamento da empresa pública, que tem como missão promover a Indústria Naval Brasileira. Ele enfatizou a disposição do empresariado do RN em impulsionar o projeto do cluster, observando que o mesmo promove um ambiente de negócios mais transparente e atrativo para investimentos no mar.

Potencialidade do cluster naval

O assessor de Relações Institucionais do Comando do 3º Distrito Naval, capitão de Mar e Guerra Marco Veppo, destacou a grande potencialidade do cluster naval e reconheceu a importância do setor marítimo para o Brasil. Ele sugeriu a realização de um evento em novembro, em comemoração ao Dia da Amazônia Azul, que destaca a riqueza em recursos naturais vivos e não vivos da região marítima do país.

Conclusão

Essa reunião ressaltou a importância do Cluster Tecnológico Naval para o desenvolvimento econômico do estado do Rio Grande do Norte, particularmente na área da economia do mar. Através de colaboração e inovação, os stakeholders esperam avançar ainda mais nos esforços para impulsionar a economia marítima do estado.

Com informações do FIERN

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).