Agência de Notícias do Gov. do Rio de Janeiro

As principais inovações para o setor de Segurança Pública serão apresentadas na 13ª edição da Feira Internacional de Defesa e Segurança (LAAD Defence & Security), considerado o maior e mais importante evento da área da América Latina, entre 11 e 14 de abril, no Rio de Janeiro. Uma das empresas participantes é a curitibana L8, que levará soluções tecnológicas para a gestão inteligente das forças de segurança, com foco principalmente nos produtos desenvolvidos pela indústria nacional.

bodycam1

Entre as soluções estão câmeras corporais, tecnologia embarcada para viaturas, equipamentos antidrones, scanners e detectores de metais. “A tecnologia vem transformando praticamente todos os setores da sociedade e, na Segurança Pública contribui muito no combate à criminalidade, trazendo mais transparência e eficiência às ações policiais”, destaca Leandro Kuhn, CEO da L8, empresa que tem se especializado em soluções para este segmento.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Um dos projetos desenvolvidos pela L8 na área é o de monitoramento das câmeras corporais dos agentes de segurança do estado do Rio de Janeiro, que envolve a gestão de 21 mil câmeras e de centros de controle e armazenamento das imagens, iniciado no final de 2021. Os equipamentos possuem reconhecimento facial dos agentes e um sistema de criptografia que impede a edição dos vídeos das ações policiais. As imagens podem ser visualizadas em tempo real e são armazenadas na nuvem da L8, no Brasil, em Datacenters Tier 3.

A tecnologia embarcada é outra aposta da empresa que criou, em parceria com a MOBISIG, um dispositivo que permite a padronização da sinalização e sonorização das viaturas. “A MOBISIG é de Sorocaba e tem se destacado no desenvolvimento de tecnologia de ponta para sinalização de veículos especiais. Na L8 temos buscado parcerias com empresas brasileiras para o desenvolvimento das nossas soluções, valorizando a indústria nacional”, explica Leandro Kuhn.

centro controle freepik scaled
Freepik

Com esta solução, a sinalização das viaturas fica na mesma frequência e fase, destacando a passagem de comboios nas grandes cidades. “Com as luzes e sirenes sincronizadas, a percepção da população para a passagem das viaturas e motocicletas aumenta, o que contribui para a liberação das vias e para a segurança tanto dos agentes, quanto da população”, afirma Leandro Kuhn.

Outras inovações que serão apresentadas no evento são as câmeras em viaturas (com georreferenciamento, leitura automática das placas dos veículos e identificação facial), os radares inteligentes para monitoramento viário, equipamentos antidrones (que permitem a derrubada de objetos voadores em áreas de segurança máxima) e scanner e detectores de metais para unidades penitenciárias e aeroportos.

Tecnologia na Segurança Pública

O uso de equipamentos e softwares na gestão da Segurança Pública é uma tendência no Brasil, de acordo com o estudo “Segurança Pública na era do Big Data: mapeamento e diagnóstico da implementação de novas tecnologias no combate à criminalidade”, divulgado no final de março pela Escola de Direito da Fundação Getúlio Vargas (FGV). O levantamento mapeou as principais soluções adotadas nas 27 unidades federativas do país e aponta que apenas 22% das forças de segurança utilizam câmeras corporais em uniformes dos agentes no Brasil. A tecnologia mais presente, no entanto, é o drone, utilizado por 63% dos estados. Em seguida, estão o reconhecimento óptico de caracteres (OCR), utilizado principalmente para leitura e identificação de placas veiculares, implantado em 44% dos estados, e o reconhecimento facial, adotado em 33% das unidades federativas.