Agência Espacial Brasileira investe na missão científica NanoMIRAX, do Inpe

blank
Voiced by Amazon Polly

Google News

Agência Espacial Brasileira (AEB) repassou R$ 1,74 milhão para o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) prosseguir com a missão NanoMIRAX, um projeto de pesquisa composto pelo experimento LECX (Localizador de Explosões Cósmicas de Raios-X), que consiste na detecção de explosões cósmicas, como rajadas de raio gama (GRBs) ou raio-X.

A carga útil do nanossatélite é constituída por uma câmera com 4 detectores de raios-X e 3 placas eletrônicas para demonstração tecnológica. “Trata-se do primeiro satélite brasileiro na área de astronomia, ou seja, o primeiro satélite desenvolvido no Brasil para estudar o universo e os astros”, disse João Braga, pesquisador da Divisão de Astrofísica (DIAST) do INPE.

O presidente da AEB, Carlos Moura, realçou a importância desse repasse. “A Agência sente-se orgulhosa em participar dessa missão. O INPE, que desde os anos 60, desbrava fronteiras do conhecimento espacial, certamente poderá avançar ainda mais, aproveitando-se do potencial e do reduzido custo das pequenas plataformas satelitais”, disse.

O projeto encontra-se na fase de desenvolvimento do modelo de voo, ou seja, o modelo de engenharia já foi desenvolvido e testado. Agora, o modelo de voo será construído, integrado e testado para ficar preparado para o lançamento. “Os recursos provindos da AEB vão exatamente propiciar o desenvolvimento do modelo de voo, porque vão permitir a compra de subsistemas e pagamento de serviços que viabilizarão a montagem, integração e testes do modelo de voo do NanoMIRAX”, continuou João.

O coordenador de Satélites e Aplicações da AEB, Rodrigo Leonardi, ressaltou como projetos de nanossatélites são muito importantes para a Agência atualmente. “A Agência Espacial Brasileira vem acompanhando uma tendência tecnológica mundial de miniaturização de sistemas espaciais. O NanoMIRAX se destaca por ser um satélite voltado para a astronomia, que produzirá ciência de qualidade utilizando uma plataforma de nanossatélite”, afirmou.

“No caso de projetos como o nanoMIRAX, a importância está no desenvolvimento de plataformas de nanossatélites com alto percentual de nacionalização e no desenvolvimento de experimentos científicos de baixo custo e alta competitividade”, ressaltou o pesquisador do INPE, João Braga.

Fonte: Portal BIDS

Participe do nosso grupo e receba as principais notícias do Defesa em Foco na palma da sua mão.

blank

Ao entrar você está ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatsApp.



Assine nossa Newsletter


Receba todo final de tarde as últimas notícias do Defesa em Foco em seu e-mail, é de graça!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui