blank
Por Capitão-Tenente (RM2-T) Luciano Franklin de Carvalho

O dia 11 de junho de 1865 foi decisivo para os rumos do maior conflito armado na América do Sul, a Guerra do Paraguai. A vitória brasileira sobre os paraguaios na batalha naval defronte a foz do Riachuelo, afluente do Rio Paraná, garantiu o poder sobre a região e, consecutivamente, o bloqueio do acesso do Paraguai ao mar, que ficou impedido de receber armamentos do exterior, inclusive os navios encouraçados que haviam sido encomendados na Europa. O êxito brasileiro possibilitou uma nova fase da guerra, que perdurou por mais de cinco anos. Na época, Brasil, Argentina e Uruguai se aliaram contra as invasões e intervenções paraguaias na Região da Prata.

Os combates que se seguiram até o fim da guerra consolidaram a Batalha Naval do Riachuelo como crucial, já que ela permitiu que os aliados usassem os rios livremente para as logísticas do confronto. O conflito reuniu características peculiares de uma batalha naval no meio fluvial, sendo travada nos espaços reduzidos dos rios, onde a existência de bancos de areia tornou as manobras difíceis, exigindo daqueles que desconheciam a região maior agilidade e capacidade de decisão. Desde então, a Marinha do Brasil celebra, todos os anos, no dia 11 de junho, os feitos heroicos daqueles homens que lutaram na batalha, reconhecendo-os como exemplos e lembrando seus atos às gerações que os sucederam.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Conheça quatro fatos históricos da batalha

1. Esquadra brasileira

Os navios brasileiros na época eram adequados para operar no mar e não em águas restritas e pouco profundas que os rios Paraná e Paraguai exigiam. A possibilidade de encalhar era grande. Além do mais, esses navios possuíam casco de madeira, o que os tornava muito vulneráveis à artilharia de terra, posicionada nas margens. A vitória brasileira só foi obtida graças à manobra de abalroamento das embarcações paraguaias. A Batalha Naval do Riachuelo é considerada o maior feito de armas da Força Naval Brasileira, uma vez que assegurou a liberdade de navegação na Bacia do Paraguai, o que levou ao triunfo definitivo dos países aliados.

2. Tríplice Aliança

A Batalha Naval do Riachuelo foi um dos confrontos que ocorreram na Guerra do Paraguai, que também é conhecida como a Guerra da Tríplice Aliança. Em 1º de maio de 1865, o Brasil, a Argentina e o Uruguai assinaram o Tratado da Tríplice Aliança contra o governo paraguaio de Solano López. A origem do conflito foi em 1864, quando houve uma intervenção militar brasileira na guerra civil uruguaia e essa ingerência contrariou os planos políticos e as alianças do Paraguai, que considerou as ações brasileiras no Uruguai como um ato de guerra.

A partir daí, o governo paraguaio iniciou as hostilidades ao Brasil com o aprisionamento do vapor brasileiro Marquês de Olinda no Rio Paraguai e depois com a invasão da Província do Mato Grosso. As tentativas de invasão continuaram e o próximo alvo seria a Província do Rio Grande do Sul. Porém, para que os planos dessem certo, o exército paraguaio necessitaria atravessar o território argentino para poder atacar a região brasileira. Como lhe foi negada a permissão, o Paraguai invadiu a Província de Corrientes, envolvendo a Argentina no conflito. A ocupação paraguaia provocou um ataque bem-sucedido do Brasil à cidade argentina. O ato motivou Solano López a planejar a ação que levou à Batalha Naval de Riachuelo.

3. Sinais de Barroso

No decorrer da Batalha Naval do Riachuelo, o Chefe de Divisão Francisco Manoel Barroso da Silva da Marinha do Brasil deu duas ordens por meio de sinalização de bandeiras pelo navio capitânia às demais embarcações brasileiras que ficaram célebres: “O Brasil espera que cada um cumpra o seu dever!” e “Sustentar o fogo, que a vitória é nossa!”.

A cada 11 de junho, as Organizações Militares da Marinha içam em seus mastros os “Sinais de Barroso” para manter viva a memória desse glorioso feito.

blank
Óleo sobre tela do italiano Eduardo de Martino, a pintura “Combate Naval do Riachuelo” retrata o momento decisivo em que o Almirante Barroso emprega a Fragata Amazonas para albaroar os navios paraguaios

4. Heróis de Guerra

Os brasileiros que lutaram na Batalha Naval do Riachuelo foram reconhecidos como heróis pela bravura e pelo sucesso na batalha. Nomes como o do Almirante Barroso, do Guarda-Marinha Greenhalgh e do Imperial Marinheiro Marcílio Dias foram imortalizados na história do País.

A campanha publicitária da Data Magna da Marinha deste ano homenageia a trajetória de Marcílio Dias. Com o slogan “Heróis do passado, transformando o presente, inspirando o futuro”, a ação conta histórias de militares que tem como referência a dedicação e o amor ao Brasil do Imperial Marinheiro. Clique aqui e conheça mais sobre a história de Marcílio Dias.

blank